Blog Comer Sem Culpa

05/04/2010

O que há de tão especial nos chás?

 

Vocês já devem ter feito essa pergunta a alguém e devem ter ouvido respostas contraditórias.

Chá verde, chá preto, chá branco, ban-chá...  Nós, ocidentais, estamos atentos aos sinais dos benefícios à saúde causados pelos chás derivados de uma planta chamada Camellia sinensis. Já nos familiarizamos com os flavonóides derivados de suas folhas e tidos como benéficos à nossa saúde.

Os outros chás utilizados nos países ocidentais não contêm flavonóides, como os chás de ervas (erva mate, mate, erva cidreira, hortelã e boldo), de flores (camomila) e de frutos (morango e maçã).

As pesquisas em animais e em células isoladas em laboratório são unânimes em mostrar que os flavonóides dos chás têm atividade contra o câncer e o diabetes, aumentam a queima de gorduras e protegem contra as doenças do coração. Mas, em relação aos efeitos em humanos, ainda não conseguimos tal comprovação.

O importante é entendermos que os orientais tomam chá o dia todo, nas refeições básicas e entre elas, servem chá nas reuniões sociais e isso é diferente da atitude ocidental de tomar uma xícara de chá, de vez em quando.

Entre nós, para prevenir doenças e emagrecer, vale mesmo a pena abolir o tabaco, evitar o sedentarismo, ter uma alimentação saudável e alcançar o peso ideal.

Por Citen às 16h38

01/04/2010

A tradicional bacalhoada de Páscoa

 

Mantendo a tradição do peixe na Sexta-Feira Santa, o bacalhau é bem vindo por todo o seu potencial nutritivo.

É rico em vitamina B1, vitamina D, sódio, magnésio, proteínas, além de ácidos graxos ômega 3 e ômega 6 que são grandes aliados na prevenção de doenças cardiovasculares, as gorduras benéficas que não aumentam o colesterol sangüíneo.

As bacalhoadas são pratos muito saborosos e saudáveis e podem fazer parte do cardápio de Páscoa sem medo. Para tanto, vale a receita infalível dos nossos ancestrais portugueses: bacalhau com batatas, cebola, pimentão, alho, tomate e azeite.

Evite as variações com leite de côco, creme de leite, manteiga, queijos e ovos, que aumentam muito o valor calórico, o teor de gordura saturada e o colesterol.

Pensando apenas no azeite, já há motivos para preocupação com as calorias do prato, uma vez que 100g dele confere quase 900 calorias à receita, como toda gordura, seja ela óleo vegetal ou banha de porco.

Para reduzir as calorias, basta reduzir a medida de azeite indicada na receita, com o objetivo de obter um prato saboroso, mas menos calórico.

Veja uma sugestão de receita do Citen.

Por Citen às 14h58

Ir para UOL Ciência e Saúde

Sobre o blog

Comer corretamente pode parecer uma tarefa impossível nos dias de hoje. O tempo é curto, a ansiedade generalizada e as informações são, muitas vezes, simplistas e tendenciosas, idealizando alguns alimentos e difamando outros. Esquecemos da premissa que, em Nutrição, não existem alimentos ruins, e sim dietas inadequadas. A idéia deste blog é esta - mostrar que a dieta ideal é possível e prazerosa. Juntos, podemos controlar calorias e balancear os nutrientes, respeitando as nossas emoções.

Sobre as autoras

Dra. Ellen Simone Paiva -

Endocrinologista e nutróloga, diretora do Citen (Centro Integrado de Terapia Nutricional). Mestre na área de Nutrição e Diabetes pela USP e especialista em Transtornos Alimentares pela Unifesp. Colunista dos sites Minha Vida, Guia do Bebê e do Blog de Especialistas da Dican.


Dra. Amanda Epifânio Pereira -

Nutricionista, especialista em Nutrição de Doenças Crônicas pelo Hospital Israelita Albert Eistein e em Transtornos Alimentares pela Unifesp.

Histórico