Blog Comer Sem Culpa

14/06/2010

Cardápio para o jantar de uma semana de um solteiro

Segunda-feira: Sobrecoxas de frango assadas ao forno convencional, arroz com seleta de legumes, salada de feijão fradinho ao vinagrete e alface americana. Sobremesa: banana prata assada no microondas polvilhada com canela e adoçante em pó.

 

Terça-feira: Salmão grelhado, batata assada em forno convencional, salada de alface com kani kama. Sobremesa: duas fatias de abacaxi com raspas de limão.

 

Quarta-feira: Lagarto cozido e fatiado ao vinagrete servido frio com a salada da semana e arroz. Sobremesa: abacaxi em calda light.

 

Quinta-feira: Atum light com salada de tomate e alface, pão sírio fatiado. Sobremesa: Gelatina de abacaxi com pedacinhos de abacaxi cozido picadinho.

 

Sexta-feira: Omelete com alho poró ou champignon com duas fatias de pão integral e saladinha de alface e tomate cereja. Sobremesa: queijinho light com geléia diet.

 

As opções de alimentos não light ou diet sempre serão possíveis, desde que não exista a preocupação no controle das calorias.

Por Citen às 12h20

11/06/2010

Como montar o cardápio do solteiro?

A seguir, a equipe do Citen fornece recomendações importantes para quem mora sozinho e deseja se alimentar bem:

 

1) O cardápio da semana deve ser preparado no sábado, o que gera uma lista de supermercado semanal, que possibilita a compra apenas dos itens necessários para aquela semana. Esta medida é prática, evita desperdícios e o consumo de lanches muito calóricos ou repetitivos, por pura falta de planejamento;

 

2) Comece sempre pela proteína que o restante do cardápio virá facilmente à cabeça. Por exemplo: sobre-coxa de frango assada na segunda-feira, salmão grelhado na terça-feira, lagarto cozido na quarta-feira, atum light na quinta e bife de panela na sexta-feira. Aqui, podem entrar o ovo e as proteínas vegetais como a soja e os feijões;

 

3) Associe à proteína um carboidrato, que pode ser arroz, batata assada, cozida ou em purê, pão, milho, mandioca ou mandioquinha e  macarrão;

 

4) Estabeleça uma salada para a semana, principalmente com itens de maior durabilidade como grão de bico ou feijão cozido ao dente, berinjela assada, abobrinha levemente aferventada, cenoura pouco cozida, crua ou ralada, ervilha fresca e milho cozido. Lave um tipo de folha como alface ou rúcula, seque bem e guarde separadamente na geladeira para ser adicionada à salada na hora da refeição;

 

5) Escolha uma fruta da estação em estágios diferentes de amadurecimento para que possa ser utilizada como sobremesa durante toda a semana, em vários tipos de preparações. Por exemplo, o abacaxi que pode ser servido em fatias geladas com raspas de hortelã ou casca de limão, cozido em calda com adoçante de forno e fogão, cozido em pedacinho e incorporado na gelatina de abacaxi;

 

6) Sempre que for preparar um tipo de alimento, faça-o em quantidade dobrada para poder congelar e ser utilizado numa outra ocasião. Isso  facilita a vida e otimiza o pouco tempo que temos para cozinhar;

 

7) Eventualmente, podemos preparar um lanche com pão e rosbife de lagarto, patê de atum ou ricota, utilizando maionese light. Nesse sentido, podemos ousar ainda mais e preparar um cachorro quente, um hambúrguer ou até um sanduíche com pão sírio à moda de um beirute de rosbife. Mesmo com lanches, uma saladinha é sempre uma ótima acompanhante.

Por Citen às 12h19

10/06/2010

Falta de organização e bagunça no orçamento

De acordo com dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares, divulgada pelo IBGE, as pessoas que moram sozinhas gastam mais com alimentos. Elas adquiriram, em 2003, um total de 560,68 quilos de alimentos, contra 509,04 quilos comprados por casais sem filhos e 324,53 kg adquiridos por casais com filhos.

 

Segundo o IBGE, o desperdício, no caso de quem mora sozinho é maior. Como alguns produtos não são vendidos em pequena quantidade, os alimentos estragam mais rapidamente e tendem a ser substituídos com uma maior rapidez.

 

Ao contrário do que muitos pensam, substituir refeições por beliscos não resolve o problema. Dessa forma acabamos comendo mal, ganhando peso e gastando muito comprando pequenas guloseimas.

 

“A simplicidade”, na maioria das vezes, reflete certa preguiça em cuidar da própria alimentação e displicência com a saúde.

 

Na maioria das vezes, quando nos damos conta de que muitas de nossas preparações prediletas podem perfeitamente sair de nossa cozinha, descobrimos que podemos economizar e comer melhor.

 

Podemos aprender a cozinhar. Isso não significa preparar grandes banquetes. Significa apenas atender às mais básicas das nossas necessidades. Alimentar-nos adequadamente e consumir alimentos gostosos e carinhosamente preparados por nós mesmos.  

 

E para quem não se sente apto a fazer uma omelete, é preciso conhecer melhor os alimentos prontos que compramos no supermercado, para não se enganar com a aparência dos assados prontos, com “a naturalidade” dos sucos artificiais e com “a leveza” das bolachas de água e sal.

 

De qualquer forma, cozinhando ou comprando pronto, precisamos nos organizar para comprarmos adequadamente o que vamos consumir.

Por Citen às 10h29

09/06/2010

Morar sozinho e comer bem

Morar sozinho e comer bem. Arrumar a própria mesa para a refeição, mesmo que seja só para si mesmo. Escolher semanalmente um cardápio e chegar em casa sabendo o que vai comer naquela noite, após um dia atribulado de trabalho...

 

Tudo isso é possível e proporciona um bem enorme à saúde, facilita a perda e a manutenção do peso ideal e auxilia o solteiro a organizar a própria vida.

 

A maioria das pessoas se diz desestimulada em preparar uma refeição para si. “Cozinhar só para mim?”,  muitos se perguntam, como se não fossemos motivo suficiente para essa mobilização.

 

Mal sabem eles que se o problema for solidão, nada melhor do que uma comidinha carinhosamente preparada para acalentar a alma e evitar a compulsão que nos faz devorar rapidamente pães, embutidos, bolachas, salgadinhos e todo o tipo de guloseimas.

 

Por outro lado, se o problema for preguiça, nada mais estimulante do que aprender a cozinhar de forma prática, versátil e saborosa.

 

Depois de aprenderem a cozinhar, essas pessoas nunca mais lançarão mão de sopões ou shakes, pois aprenderão que podem comer muito melhor e serão mais exigentes com relação às suas refeições.

Por Citen às 18h22

02/06/2010

Doce de abóbora: duas versões para sua festa junina

 

Ingredientes:

1 kg de abóbora madura, descascada, cortada em cubinhos

2 cravos da índia

2 canelas em pau0

3 xícaras (chá)  água (600ml)

1 xícara (chá) açúcar (200g)

1 colher (chá) suco de limão (20g)

 

Compota

Modo de Preparo:

Em uma panela, coloque a abóbora, a água, o suco de limão, o açúcar, os cravos e as canelas. Leve ao fogo até cozinhar a abóbora, sem desmanchá-la (40min). Deixe esfriar e sirva gelado.

Valor calórico 60 calorias - porção de 100g

 

Para corte

Modo de Preparo:

Descasque a abóbora, corte-a em pedaços e coloque em uma panela. Adicione a água, leve ao fogo e deixe cozinhar por 40 minutos até que esteja bem macia. Assim que estiver cozida, retire do fogo e bata no liquidificador. Em seguida, coloque a mistura em uma panela, adicione o açúcar e leve ao fogo. Tampe parcialmente a panela, reduza o fogo e deixe cozinhar, mexendo sempre até que o doce esteja soltando do fundo da panela. (Opção) Antes de açucarar, junte o côco ralado (200g), misture e retire do fogo. Despeje o doce em uma assadeira untada e deixe esfriar. Em seguida, corte em quadradinhos.

 

Valor calórico: 120 calorias - porção de 100g

Por Citen às 11h45

Ir para UOL Ciência e Saúde

Sobre o blog

Comer corretamente pode parecer uma tarefa impossível nos dias de hoje. O tempo é curto, a ansiedade generalizada e as informações são, muitas vezes, simplistas e tendenciosas, idealizando alguns alimentos e difamando outros. Esquecemos da premissa que, em Nutrição, não existem alimentos ruins, e sim dietas inadequadas. A idéia deste blog é esta - mostrar que a dieta ideal é possível e prazerosa. Juntos, podemos controlar calorias e balancear os nutrientes, respeitando as nossas emoções.

Sobre as autoras

Dra. Ellen Simone Paiva -

Endocrinologista e nutróloga, diretora do Citen (Centro Integrado de Terapia Nutricional). Mestre na área de Nutrição e Diabetes pela USP e especialista em Transtornos Alimentares pela Unifesp. Colunista dos sites Minha Vida, Guia do Bebê e do Blog de Especialistas da Dican.


Dra. Amanda Epifânio Pereira -

Nutricionista, especialista em Nutrição de Doenças Crônicas pelo Hospital Israelita Albert Eistein e em Transtornos Alimentares pela Unifesp.

Histórico