Blog Comer Sem Culpa

14/08/2010

Comportamento alimentar e obesidade

 

Engordamos sempre que comemos mais do que gastamos. Se uma pessoa exceder apenas 100 calorias – uma maçã – em sua ingestão diária, ela poderá, ao final de um ano, ganhar cerca de 5 kg.

Analisada por essa ótica das ciências exatas,  parece simples a compreensão do ganho de peso e das possibilidades de tratamento para os pacientes que sofrem desse problema. Mas quando analisamos o “comer mais” e o “gastar menos”, nós nos deparamos com mudanças comportamentais que, tudo indica, vieram para ficar.

O que vem acontecendo com os nossos hábitos alimentares? Quando observamos as famílias, nos dias de hoje, podemos notar uma ampla mudança de comportamento, com influências marcantes nas relações familiares e na alimentação, capazes de marcar uma geração de pessoas com grande propensão à obesidade

Por Citen às 19h29

12/08/2010

Como preparar a marmita?- parte 3

Sugestão de cardápio - sexta-feira

2 colheres de servir de salada fria de legumes (chuchu, cenoura, abobrinha e vagem temperados com azeite, cheiro verde e cebola)
4 colheres de sopa de arroz com ervilha fresca
2 postas médias de peixe ao molho de tomate


Para quem gosta de peixe, a melhor forma de transportar em marmitas é ao molho. Preparações empanadas ou à milanesa, quando esquentadas, ficam murchas e a massa se solta facilmente das carnes.

Por Citen às 17h21

10/08/2010

Como preparar a marmita?- parte 2

Sugestão de cardápio - quarta-feira

4 colheres de servir (250g) de salada de macarrão com legumes e presunto em cubos.
O macarrão tipo gravatinha pode ser preparado com tomate cereja, vagem, cenoura, brócolis, abobrinha e presunto magro. Todos os ingredientes devem ser cortados em cubos.

Saladas frias contêm todos os nutrientes: carboidrato, proteína, gordura e o grupo de hortaliças, em quantidades semelhantes às que encontramos em um prato de refeição tradicional. São muito úteis para quem tem pouco tempo para fazer uma refeição ou para quem não dispõe de local adequado para esquentar a comida.


Sugestão de cardápio - quinta-feira
 

1 prato de sobremesa de salada de alface americana, rúcula, tomate cereja, cenoura baby e ervilha torta cozida
4 colheres de sopa de arroz branco
1 concha média de feijão carioca
2 colheres de sopa de iscas de carne ao molho de alho-poró.


As saladas geralmente ficam ausentes nas marmitas. Folhas mais resistentes e legumes crus são boas opções para quem não abre mão dessa refeição, mas leve-as em recipiente separado. O ideal é manter os temperos no local de trabalho e temperar a salada na hora.

Por Citen às 14h20

09/08/2010

Como preparar a marmita?- parte 1

 

Quem puder contar com bolsas térmicas poderá preparar sua refeição com certa antecedência, no caso um ou dois dias antes, desde que esta seja mantida sobre refrigeração.

Quem não dispõe desse recurso deverá preparar a marmita pela manhã, ou no máximo, na noite anterior. Nesses casos é possível acondicionar todas as preparações num mesmo recipiente, pois o risco de contaminação diminui quando a refeição é fresca.

Todos os alimentos podem ou não estar juntos, mas observar algumas regras ajuda na hora de montar a marmita.

Para quem esquenta a refeição em fogareiro ou banho-maria, o ideal é separar o feijão, que costuma ressecar nesse tipo de aquecimento. Quando separado, é possível acrescentar água antes do aquecimento.

Outra dica é nunca misturar salada com as refeições que serão aquecidas. Se não houver a possibilidade de levá-las separadamente, prepare legumes e verduras refogados, que poderão ser esquentados normalmente. 

Sugestão de cardápio - segunda-feira
 
4 colheres de sopa de arroz branco
1 concha média de feijão carioca
2 colheres de servir de frango xadrez (peito de frango refogado com pimentão, cebola, cenoura e brócolis)

Preparações de carne com legumes são sempre boas opções para marmitas, pois há oferta de dois grupos de alimentos em uma única preparação - proteína e legumes. Normalmente, as carnes ficam com molho, evitando o ressecamento da refeição após o aquecimento.

Sugestão de cardápio - terça-feira

4 colheres de sopa de salada de grão-de-bico com molho vinagrete
4 colheres de sopa de arroz com cenoura
5 colheres de sopa de escarola refogada
2 fatias finas de lagarto assado com molho de champignon

Saladas de grãos são excelentes alternativas ao feijão, que muitas vezes deixa a comida ressecada.São alternativas que enriquecem a preparação e mantêm a oferta de nutrientes equilibrada. Para não ficar carregando vários recipientes com comida, faça refeições como arroz com legumes ou carne com legumes.

Por Citen às 11h33

06/08/2010

Comida caseira no escritório

Que tal poder continuar almoçando uma refeição genuinamente caseira e sem riscos de surpresas desagradáveis?

É sempre mais seguro planejar antecipadamente o que vamos comer no dia seguinte, principalmente, se fizermos isso após o jantar e sem sinais de fome.

Dessa forma, teremos mais chances de acertar nas proporções e nas quantidades dos vários nutrientes que devem compor uma dieta balanceada.

Apesar de não ser uma tarefa fácil, as inúmeras vantagens desse procedimento justificam o esforço.

A seleção dos alimentos que irão compor a marmita requer atenção especial, pois certos ingredientes apresentam alto potencial de contaminação se não forem conservados em temperatura adequada.

Isso acontece com as preparações que levam leite em sua composição, como molho branco, gratinados em geral e cremes de milho ou espinafre, assim como receitas que contenham queijo ou iogurte.

Estes alimentos podem compor a marmita, desde que sejam preparados na véspera, mantidos em refrigeração durante a noite e transportados em bolsas térmicas. O ideal é acondicionar as preparações em recipientes individuais, evitando que um alimento possa contaminar o outro.

Preferencialmente, os alimentos que serão transportados devem ser colocados em embalagens térmicas, que irão mantê-los dentro de uma faixa de temperatura segura, ou seja, inferior a 5° C ou superior a 65° C.

Preservar as refeições dentro dessas temperaturas previne a proliferação de microorganismos que “azedam” a comida e podem causar desde desconforto gástrico leve até uma intoxicação alimentar mais séria.

Por Citen às 13h53

05/08/2010

Levar marmita para o trabalho favorece a dieta

As queixas são várias: o preço é exorbitante, não há confiança na higienização das verduras cruas, a variedade dificulta a dieta, o cardápio repetitivo desestimula e induz a procura pelo fast food ... Em muitos casos, o ganho de peso é inevitável, quando passamos a comer fora de casa.

São várias as justificativas usadas para explicar a dificuldade de algumas pessoas que trabalham fora para comer corretamente.

Que tal apostar na marmita? Preparar a refeição em casa pode ser uma alternativa para os que não estão conseguindo digerir a alta de preços dos restaurantes.

Também pode ser útil para os que não resistem ao pastelzinho e às várias ofertas de carnes e sobremesas que abalam a nossa resistência e colocam em risco qualquer projeto de alimentação saudável.

Por Citen às 11h55

02/08/2010

Colágeno x gelatina

 

Cerca de 30% das proteínas totais dos mamíferos são constituídas de colágeno, uma proteína de baixa qualidade nutricional, pois praticamente não contém triptofano, um aminoácido essencial.

Costumamos medir a qualidade de uma proteína através de seu perfil de aminoácidos e consideramos uma proteína como de alto valor biológico, quando ela contém todos os aminoácidos essenciais.

O colágeno é amplamente utilizado na alimentação humana na forma de gelatina. No corpo, ela é uma proteína fibrosa que inclui a queratina - proteína do cabelo e das unhas - a fibrina do sangue e a miosina dos músculos.

Apesar de sabermos que o colágeno muscular e o cutâneo são proteínas estruturais necessárias para a manutenção do tônus muscular e da elasticidade da pele, isso não implica que a ingestão de gelatina, em cápsulas ou em pó, seja útil no estímulo ou incremento desse mecanismo.

É a dieta o nosso maior aliado, uma vez que esta proporciona os aminoácidos necessários à síntese protéica.

Por Citen às 16h35

Ir para UOL Ciência e Saúde

Sobre o blog

Comer corretamente pode parecer uma tarefa impossível nos dias de hoje. O tempo é curto, a ansiedade generalizada e as informações são, muitas vezes, simplistas e tendenciosas, idealizando alguns alimentos e difamando outros. Esquecemos da premissa que, em Nutrição, não existem alimentos ruins, e sim dietas inadequadas. A idéia deste blog é esta - mostrar que a dieta ideal é possível e prazerosa. Juntos, podemos controlar calorias e balancear os nutrientes, respeitando as nossas emoções.

Sobre as autoras

Dra. Ellen Simone Paiva -

Endocrinologista e nutróloga, diretora do Citen (Centro Integrado de Terapia Nutricional). Mestre na área de Nutrição e Diabetes pela USP e especialista em Transtornos Alimentares pela Unifesp. Colunista dos sites Minha Vida, Guia do Bebê e do Blog de Especialistas da Dican.


Dra. Amanda Epifânio Pereira -

Nutricionista, especialista em Nutrição de Doenças Crônicas pelo Hospital Israelita Albert Eistein e em Transtornos Alimentares pela Unifesp.

Histórico