Blog Comer Sem Culpa

12/12/2011

Lanches e brinquedos, um brinde ou um vínculo perigoso?

Será que um personagem infantil sob a forma de um brinquedo pode influenciar o hábito alimentar de uma criança? De acordo com a argumentação apresentada pelo Projeto Criança e Consumo, do Instituto Alana isso pode ocorrer. Por essa razão, o instituto denunciou a rede de lanchonetes McDonald’s  ao Procon de São Paulo pela associação entre a venda de alimentos  e brinquedos. Segundo a ONG, essa prática  “cria uma lógica de consumo prejudicial e incentiva a formação de valores distorcidos, bem como a formação de hábitos alimentares prejudiciais à saúde”.

A denúncia resultou em uma multa de 3.192.300,00 milhões ao McDonald’s pela venda de alimentos associados a brinquedos. A rede de lanchonetes ainda pode recorrer da sentença e provavelmente até ganhe, mas muita coisa tem mudado em relação à percepção de pais, educadores, profissionais de saúde e governos em relação à essa prática.

Nos Estados Unidos, acaba de entrar em vigor no Estado da Califórnia a lei que proíbe exatamente a venda de fast-foods acompanhados de brinquedos. A norma vale para todos os restaurantes que não atendam às exigências nutricionais, incluindo uma lista de cerca de 50 fast-foods comercializados por grandes cadeias de alimentos como o Burger King e Subway. O Mc Lanche Feliz está entre eles.

Essa preocupação tem toda razão de ser, tanto nos EUA onde 30% das crianças tem sobrepeso ou obesidade, como no Brasil, onde recentemente foram divulgadas cifras exatamente iguais pelo IBGE. Apesar de estarmos à altura dos americanos na incidência de obesidade infantil, ainda engatinhamos em medidas de prevenção, tanto é que eles demonstram desaceleração e nós estamos em franca ascensão da doença.

Por isso, brinquedos e alimentos não devem confundir a susceptibilidade de nossas crianças, pois na realidade, isso cria um vínculo real muito difícil de ser desfeito. Principalmente quando esses alimentos são ricos em carboidratos, gordura e sal, além de altamente calóricos. Daí a importância da iniciativa do Instituto Alana, que deve incentivar a aprovação dos projetos de lei que tentam regulamentar com mais rigor a propaganda e a comercialização de alimentos destinados às crianças.

 

Por Citen às 08h50

08/12/2011

A difícil sina de emagrecer para o próximo verão

É bem conhecida a busca por um corpo ideal com a proximidade do verão. Com essa finalidade, a perda de peso é geralmente alcançada através do uso de medicamentos¸ pois com  objetivos a tão curto prazo, falar em dieta e exercício parece até uma heresia.

Acontece que nesse ano as dificuldades parecem antecipar o insucesso de muita gente. Não vai ser fácil perder peso como antes. Essa previsão nada tem a ver com a força dos astros e sim com a decisão da Anvisa de proibir a comercialização dos medicamentos emagrecedores no Brasil. Essa nova determinação começa a valer amanhã, dia 10 de dezembro de 2012. Além disso, nunca tivemos uma primavera tão fria. Parece antecipar um verão nebuloso, pelo menos para aqueles que não cuidaram do peso ao longo de todo o ano.

Na verdade, os derivados da anfetamina que foram proibidos, realmente operavam milagres a curto prazo. É bem certo, que os resultados não chegavam ao final do outono, pois o ganho de peso era a regra ao se interromper o seus eficientes bloqueios da fome. De agora em diante, as pessoas devem começar a pensar no verão já no inverno e aprenderem a conviver com a necessidade de cuidar melhor de suas dietas.

Quem sabe essa dura etapa que passaremos juntos, nós e nossos pacientes, nos traga um aprendizado e uma surpresa boa. A de que somos perfeitamente capazes de emagrecer não somente para o verão, mas para todo o ano.  

 

 

Por Citen às 22h26

06/12/2011

A saúde óssea e as dificuldades em repor as perdas de cálcio

Acaba de ser publicado na revista médica Annals of Internal Medicine um trabalho que define como ineficientes as plataformas vibratórias como forma de melhorar a massa óssea de mulheres com osteopenia. O dispositivo lembra uma balança, dessas que geralmente temos em casa, com as quais nos pesamos diariamente. A idéia inicial era de que ao nos posicionarmos durante 20 minutos diários em cima de uma delas, a vibração causaria mobilização do mecanismo ósseo que levaria a formação de novas células de osso novo, onde seria posteriormente depositado o cálcio, mineral responsável pela resistência do nosso esqueleto.

A pesquisa avaliou 202 mulheres na menopausa, todas com osteopenia e em uso de suplementos de cálcio e vitamina D. Ao final de 12 meses de uso das tais plataformas, não houve diferença entre as mulheres submetidas ou não às sessões de vibração. Esses resultados demonstraram, conclusivamente, a impossibilidade de mais essa opção terapêutica para o difícil tratamento da perda de massa óssea.

Osteopenia e osteoporose são termos que vem se tornando muito conhecidos, principalmente entre o público feminino, devido à grande freqüência dessas alterações por volta da menopausa. Trata-se de ossos frágeis e propensos a fraturas. Os mecanismos conhecidos como “turnover ósseo” ou seja, a reabsorção de osso velho e a formação de osso novo sofre desaceleração e o resultado final é um menor aporte de cálcio nos ossos,  com desarranjo da microarquitetura óssea,  fragilidade e propensão a fraturas.

Devido às dificuldades no tratamento da osteoporose, o melhor que temos a fazer é prevenir. Para isso, as recomendações são de dieta rica em cálcio,  produção adequada  de vitamina D através da exposição segura aos raios solares e atividade física que predispõe à melhora do “turnover” ósseo e acelera formação óssea.

Quando não há mais como prevenir e a perda do cálcio alcança os níveis de osteoporose, nós  precisamos lançar mão de todas essas recomendações, aliadas à suplementação de cálcio e vitamina D, além dos medicamentos anti reabsortivos. O tratamento é prolongado, oneroso e muitas vezes sujeito a efeitos colaterais que inviabilizam sua manutenção a longo prazo, como seria necessário.

Ao contrário das plataformas vibratórias, as atividades físicas em que pisamos no chão, caminhando ou correndo, assim como os exercícios de musculação, já foram exaustivamente comprovadas como eficientes na prevenção e no tratamento da osteoporose. Aliás, foi daí que surgiu a frustrada idéia de que poderíamos alcançar o mesmo efeito com a passiva utilização das plataformas. 

Por Citen às 20h45

02/12/2011

Podemos parar de fumar sem engordar

O mundo inteiro está em guerra contra o tabagismo. Nunca um hábito foi tão duramente e eficientemente combatido como este. Uma legislação rigorosa tem mudado comportamentos e resultado em menores cifras de doenças crônicas de uma maneira geral, principalmente as pulmonares. Podemos até discutir sobre um possível cerceamento das liberdades individuais, mas não podemos negar os benefícios à saúde das pessoas.

Uma das grandes dificuldades em parar de fumar é o ganho de peso. Vários fatores concorrem para este fato. Inicialmente, sem os efeitos inibidores do apetite causados pela nicotina, a fome volta ao normal.  Além disso, o paladar e o olfato tornam-se mais sensíveis aos alimentos, que adquirem sabores e cheiros anteriormente não mais percebidos. Dessa forma, as pessoas comem mais.

Como qualquer outro vício, a suspensão do fumo gera grande ansiedade e nesse momento as pessoas passam a comer muito mais. Nesse caso, a busca pelo alimento nada tem a ver com fome real. É uma situação muito parecida com episódios de compulsão alimentar.  A sensação é de que as pessoas compensam a falta de um prazer pelo outro. Comem para não fumar. Além disso, ao parar de fumar, elas são tomadas por estranhas sensações físicas e psicológicas. Sobra um vazio, uma falta do que fazer com as mãos. Dá saudades do prazer abandonado. Em momentos de muita tensão ou quando ingerem bebidas alcoólicas, o desejo de fumar aumenta e algumas vezes ocorrem recaídas.

Apesar disso, o risco do ganho de peso não deve ser um impedimento para as pessoas que pensam em parar de fumar. Elas podem se preparar para não caírem nessa armadilha. É possível parar de fumar e não engordar, seguindo um plano alimentar que fracione alimentos e evite aqueles que naturalmente se relacionam com o desejo de fumar, como as bebidas alcoólicas e o café. Neste processo devem ser priorizados alimentos que afastam a vontade de fumar, como as balas e os doces em suas versões lights, principalmente aqueles com sabor mentolado e de frutas.

Outro importante fator que pode ajudar na manutenção do peso durante a interrupção do fumo é a atividade física, principalmente aeróbica. Os exercícios físicos, através da liberação de endorfinas, melhoram o humor e reduzem a ansiedade. Além disso, melhoram a oxigenação e a eficiência respiratória, aumentam a sensação de bem estar e a disposição. Finalmente, aumentam o gasto calórico, o que possibilita uma dieta mais generosa em carboidratos, os grandes aliados da interrupção do fumo.

Por Citen às 17h35

Sua dieta deve ser para sempre

Você faz dieta para se casar? Para a festa de formatura de alguém querido? Para engravidar? Isso só pode dar errado. Dietas não podem ser pontuais ou com hora marcada para começar e terminar. Dietas devem ser para sempre. Fazer dieta para uma ocasião especial, já nos avisa, de antemão, que ela será muito restritiva e rápida.   Após o evento, naturalmente perde a razão de ser. A volta ao peso anterior também terá hora marcada para ocorrer e mesmo inconscientemente, a pessoa já espera pode ela.

Infelizmente, todo os dias nos atendemos pessoas que querem emagrecer, sem se dar conta de que estão ansiosos para terminar seu regime, mesmo antes de começar. Pensam que ao chagarem ao peso ideal, tudo estará resolvido. Se esquecem de que foi justamente esse comportamento alimentar o grande motivo para o seu sobrepeso ou obesidade. É preciso lembrar a eles que se não conseguirmos resolver esse impasse, estaremos a cada dia mais distantes de alcançarmos o tão sonhado peso ideal.

Você consegue tomar shake todos os dias até quando? Consegue manter um coquetel de fibras sem gosto e sem graça por quanto tempo em sua vida, substituindo alguma refeição? Mesmo em se tratando de alimentos saudáveis, você não consegue passar muitos dias comendo filé de frango com o intuito de emagrecer. Se as dietas devem ser para sempre, elas devem ser saborosas, versáteis e flexíveis. Devem respeitar nossas preferências alimentares e a nossa sociabilidade.

Eis aí o nosso desafio. Preparar dietas que alimentam e ao mesmo tempo cuidem do peso ideal. Saudáveis e saborosas. Práticas e versáteis. Que respeitem a individualidade de cada um e não sejam um transtorno. Fazer dieta deve fazer parte de um estilo de vida saudável. Quem se habilitar e se comprometer tem tudo para ser bem sucedido!

Por Citen às 09h47

Ir para UOL Ciência e Saúde

Sobre o blog

Comer corretamente pode parecer uma tarefa impossível nos dias de hoje. O tempo é curto, a ansiedade generalizada e as informações são, muitas vezes, simplistas e tendenciosas, idealizando alguns alimentos e difamando outros. Esquecemos da premissa que, em Nutrição, não existem alimentos ruins, e sim dietas inadequadas. A idéia deste blog é esta - mostrar que a dieta ideal é possível e prazerosa. Juntos, podemos controlar calorias e balancear os nutrientes, respeitando as nossas emoções.

Sobre as autoras

Dra. Ellen Simone Paiva -

Endocrinologista e nutróloga, diretora do Citen (Centro Integrado de Terapia Nutricional). Mestre na área de Nutrição e Diabetes pela USP e especialista em Transtornos Alimentares pela Unifesp. Colunista dos sites Minha Vida, Guia do Bebê e do Blog de Especialistas da Dican.


Dra. Amanda Epifânio Pereira -

Nutricionista, especialista em Nutrição de Doenças Crônicas pelo Hospital Israelita Albert Eistein e em Transtornos Alimentares pela Unifesp.

Histórico