Blog Comer Sem Culpa

25/04/2013

A importância da tireoide na puberdade

Falamos muito sobre a importância da glândula tireoide na gestação, na manutenção do peso corporal, no desenvolvimento neurológico do bebê, no desempenho cardiovascular e até na saúde dos cabelos, pele e unhas... Uma glândula multifuncional. Um tópico pouco discutido e que merece destaque é a importância dos hormônios tireoideanos no desenvolvimento da puberdade e no estirão de crescimento relacionado a essa fase tão importante e definitiva na vida de todos nós.

Tudo muda no corpo e no comportamento das meninas por volta dos nove anos e nos meninos, por volta dos 11 anos. Nelas, o ovário passa a comandar o processo e neles, os testículos, com  elevação progressivas dos hormônios sexuais, determinando as formas corporais definidas de cada sexo. Em comum a ambos, uma velocidade de crescimento muito além daquela observada na infância, geralmente mais que 10 cm por ano. Em toda essa fase, os hormônios tireoideanos são parte fundamental de todo esse processo, não apenas no estirão de crescimento, mas na evolução dos caracteres sexuais secundários característicos da puberdade.

Por isso, qualquer doença tireoidiana que ocorra nessa fase da vida, pode interferir na evolução normal da puberdade, geralmente atrasando todo o processo, mas podendo causar também antecipação. A alteração mais comum é o déficit de crescimento e o atraso puberal.  A importância da investigação dos casos de baixa estatura na infância e adolescência, a procura de disfunção tireoideana, se deve ao fato de que o tratamento é altamente eficaz.  Podemos assim reverter os problemas do atraso da puberdade e restabelecer um crescimento normal, garantindo uma estatura normal na vida adulta. 

Por Citen às 14h38

22/04/2013

Será que o glúten é realmente um vilão das dietas?

Certamente você já ouviu falar sobre ele. Se não ouviu, já leu o alerta obrigatório nos rótulos dos alimentos e já percebeu a sua importância. Mas você sabe o que é o glúten? Acha que ele pode estar te engordando ou dificultando sua digestão? Acha por acaso que há alguma vantagem em retirá-lo do seu cardápio?

O mundo das dietas de moda quando elege um vilão, torna praticamente impossível reabilitá-lo. Não é diferente com o glúten. Por isso, antes que você caia em mais uma armadilha dietética, está na hora de entender o que é esse tal de glúten.

Ele é um pedacinho da proteína de alguns cereais como trigo, aveia, centeio, cevada, malte e seus derivados. Integram o abundante grupo de alimentos e bebidas que “contém glúten” os pães, bolachas, massas, cerveja, uísque e uma infinidade de produtos industrializados. Ele passou a chamar muita atenção nos últimos sete anos quando a legislação brasileira passou a exigir que qualquer produto alimentício deva exibir na embalagem a indicação "contém glúten" ou "não contém glúten".

Saber se um alimento contém ou não contém glúten é mesmo muito importante para algumas pessoas. Nelas, essa proteína causa uma reação imunológica tão grave que compromete todo o trato digestivo levando desde anemia e carências nutricionais até o câncer de intestino. Estamos falando da Doença Celíaca, uma condição clínica bem definida.

Para a grande maioria das pessoas não há nenhuma vantagem em se retirar o glúten da dieta. Ele não está associado ao ganho de peso e não causa má digestão em ninguém. Se por acaso há alguma suspeita de que você seja um celíaco, antes de retirar os alimentos que contém glúten da sua dieta, você deve ser submetido a uma biópsia intestinal, pois é a única forma definitiva de diagnóstico. Se não houver a comprovação, esqueça o glúten e não abra mão da variedade nutricional, que é um dos pilares da boa nutrição. 

 

Por Citen às 08h56

Ir para UOL Ciência e Saúde

Sobre o blog

Comer corretamente pode parecer uma tarefa impossível nos dias de hoje. O tempo é curto, a ansiedade generalizada e as informações são, muitas vezes, simplistas e tendenciosas, idealizando alguns alimentos e difamando outros. Esquecemos da premissa que, em Nutrição, não existem alimentos ruins, e sim dietas inadequadas. A idéia deste blog é esta - mostrar que a dieta ideal é possível e prazerosa. Juntos, podemos controlar calorias e balancear os nutrientes, respeitando as nossas emoções.

Sobre as autoras

Dra. Ellen Simone Paiva -

Endocrinologista e nutróloga, diretora do Citen (Centro Integrado de Terapia Nutricional). Mestre na área de Nutrição e Diabetes pela USP e especialista em Transtornos Alimentares pela Unifesp. Colunista dos sites Minha Vida, Guia do Bebê e do Blog de Especialistas da Dican.


Dra. Amanda Epifânio Pereira -

Nutricionista, especialista em Nutrição de Doenças Crônicas pelo Hospital Israelita Albert Eistein e em Transtornos Alimentares pela Unifesp.

Histórico